estoque

Você sabe como escolher a metodologia de gestão de estoque ideal?

Ter uma metodologia de gestão de estoque definida e aplicada na sua empresa é o mesmo que investir na segurança do seu dinheiro. Afinal, embora, muitas vezes, isso acabe passando despercebido no dia a dia, o estoque concentra boa parte do capital ativo de um negócio.

Por essa razão, tratar o estoque apenas como um setor aleatório de entrada e saída de materiais é um erro que pode trazer grandes consequências negativas. Por outro lado, quando o setor é bem gerido, os bons resultados refletem na parte financeira, comercial, marketing etc.

Mas, quais são as principais metodologias de gestão de estoque existentes? Qual é a ideal para a sua empresa? Para acabar com essas dúvidas, continue lendo e confira o nosso post completo sobre o assunto. Boa leitura!

Quais as principais metodologias de gestão de estoque?

Como dito, o controle do estoque é um trabalho altamente importante para a saúde financeira e para o crescimento da empresa — quanto menor o número de falhas e desperdícios na área, maiores são as chances de sucesso.

Uma metodologia de gestão de estoque definida pode ajudar na conquista desse cenário positivo. Conheça, abaixo, alguns dos métodos mais utilizados no mercado.

Método Just in Time

Podemos dizer que o Just in Time é método mais pragmático de controle de estoque. Em tradução livre, Just in Time significa “no momento exato”, e essa ideia é praticamente a base da metodologia.

Aqui, não há um acúmulo de produtos ou materiais no estoque. Todo volume adicionado é adquirido para atender a demanda imediata, ou seja, o suficiente para que não sejam utilizados espaços para armazenamento ou de mão de obra extra.

A grande vantagem do Just in Time é que a empresa reduz os custos no número de colaboradores e minimiza os riscos de desperdícios e avarias. Há também menor incidência de falhas humanas e retrabalhos.

Por outro lado, é essencial uma sincronia entre fornecedores, transportadores e empresa, a fim de sempre garantir um estoque condizente com a demanda. Nesse método, só é preciso uma falha de comunicação para que a empresa sofra rupturas no estoque e tome prejuízos com queda nas vendas.

Método PEPS

O PEPS é uma metodologia de gestão de estoque bastante utilizada no mercado atual, pois não apresenta grande complexidade na sua implantação e segue o conceito cronológico das tarefas. PEPS significa “Primeiro que Entra, Primeiro que Sai”.

Pelo significado da sigla, é possível perceber que se trata de um método em que os produtos mais antigos no estoque serão os primeiros a sair para completar o ciclo de vendas.

Quando a mercadoria é adicionada ao estoque, automaticamente, também é agregada ao sistema. Assim, o gestor e seus colaboradores sabem quais devem ser retiradas primeiramente.

Para que dê certo, no entanto, faz-se necessário um trabalho bem direcionado por parte dos responsáveis, já que nem sempre é possível contar com a ajuda do sistema. A organização e a disciplina aqui são fundamentais para que nenhum produto antigo seja preterido e ultrapasse a sua validade no estoque.

Método UEPS

O UEPS é exatamente o contrário do PEPS. Enquanto o método anterior privilegia os produtos que entram primeiro, aqui, as mercadorias mais recentes sempre têm prioridade. Ou seja, quanto mais novo o produto, maior a chance de comercialização.

UEPS significa “Último a Entrar, Primeiro a Sair”, uma definição que explica categoricamente sobre o que se trata a metodologia. No entanto, ainda que pareça uma filosofia arriscada à primeira vista, existe uma ideia que faz todo sentido por trás.

Acontece que o cálculo de venda é feito considerando o montante das mercadorias mais recentes, produtos que apresentam maior valor de venda quando estão recém-fabricados, por isso é importante que saiam primeiro.

Logicamente, não é uma estratégia que funcione em empresas que trabalhem com produtos perecíveis, pois há grande risco por conta das datas de validade. Uma vez vencidas, as mercadorias já não servem para comercialização.

Método da Curva ABC

Também chamado de Análise de Pareto, a Curva ABC é uma metodologia que eleva a importância da gestão de estoque para o sucesso de um negócio. Segundo o método, 20% de um estoque bem cuidado pode representar até 80% do faturamento de uma empresa.

Para garantir que o potencial do negócio seja explorado adequadamente, a Curva ABC divide os produtos do estoque em três categorias, grupo A, B e C. Entenda:

Grupo A

No Grupo A, estão concentrados os produtos de maior valor para empresa, aqueles que geram grande retorno para o negócio. No entanto, apesar dos valores abundantes, são mercadorias que não apresentam um alto giro de saída.

Grupo B

Na sequência, há os produtos de alto giro, os chamados “carros-chefes” da empresa. Ainda que não ofereçam um ótimo ROI individualmente, são essenciais para manter a competitividade da marca.

Grupo C

Por fim, temos o Grupo C, no qual se concentram as mercadorias que não são de alto giro e nem apresentam grande valor comercial. Por serem de baixo giro, devem ser mantidos em menor quantidade no estoque. Ainda que cumpram o seu papel, não há necessidade de grandes gastos.

Método do Custo Médio

O Custo Médio ou Média Móvel é uma das metodologias de gestão de estoque mais simples que existem, e também uma das mais aplicadas. Nela, há uma realização de cálculo toda vez que chega mercadoria nova para o estoque, e seu objetivo é manter sob controle os gastos da empresa em relação à aquisição de produtos.

Para colocá-lo em prática, basta pegar os valores gastos com as mercadorias novas, somar com os custos dos itens antigos e dividir pela totalidade de produtos que ainda permanecem no estoque da empresa.

É uma metodologia que ajuda bastante o setor de compras, evitando que os responsáveis adquiram novos produtos sem a real necessidade da empresa.

Como escolher a melhor metodologia de gestão de estoque para a sua minha empresa?

Como você notou, há uma boa quantidade de metodologias de gestão de estoque para serem adotadas. Ao mesmo tempo em que isso é uma boa notícia, também levanta a dúvida sobre qual o método ideal para o seu negócio.

Diferentemente de outras situações, em que o certo e o errado estão bem claros, aqui não há uma resposta simples. Não existe um método mais ou menos eficaz, todos podem trazer bons resultados para qualquer negócio.

Diante desse cenário, o melhor caminho é considerar a realidade específica da sua empresa. Por exemplo, para negócios menores, o PEPS é um método de gestão de estoque indicado, pois é seguro e de fácil implementação.

Já se a sua empresa não trabalha com produtos perecíveis, o UEPS aparece como ótima alternativa. Considerando o poderio da sua marca e o momento do mercado, as chances de errar na gestão de estoque são consideravelmente baixas.

Apesar das diferenças que cada negócio apresenta, uma realidade prevalece: optar pela metodologia de gestão de estoque ideal é uma maneira inteligente de a sua empresa evitar gastos e desperdícios, bem como obter vantagem perante a concorrência.

Dessa forma, essa é uma decisão de alta relevância — e, por isso, é importante contar com a parceria de um especialista estratégico para definir e gerenciar a melhor metodologia para a sua empresa.

Gostou deste conteúdo? Siga-nos em nossas redes sociais e receba em sua timeline mais informações sobre gestão e logística. Estamos no Facebook, Instagram e LinkedIn!

COMPARTILHAR:

Compartilhar no facebook
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp

Deixe uma resposta