gestão de risco

Gestão de risco na logística: confira o passo a passo de como fazer

A gestão de risco na logística é um fator cada vez mais debatido entre as empresas nos últimos anos, com um destaque especial para as operações no Brasil. Afinal, estamos falando de um país de dimensões territoriais enormes e com características específicas, tanto de infraestrutura como sociais, em todas as suas regiões.

Logo, um gerenciamento de riscos na logística nacional não envolve unicamente as questões operacionais das entregas em si, mas também leva em consideração fatores bem detalhados, que nem todos os países precisam analisar, como violência urbana, estradas em má qualidade, necessidade de multimodais e inúmeros outros exemplos.

Para entender melhor quais são esses principais desafios e os riscos da logística nacional, nós preparamos um post exclusivo sobre gerenciamento de riscos e sua importância, além de um passo a passo para a sua implementação prática.

Sem mais delongas, vamos direto às dicas. Confira!

Afinal, o que é uma gestão de riscos na logística?

A gestão de risco está ligada diretamente ao planejamento logístico estratégico das operações, antes mesmo que elas sejam realizadas. Ou seja, em outras palavras, esse tipo de gerenciamento engloba ações e cuidados para mitigar ao máximo possíveis ocorrências que venham a causar riscos ou impactos negativos nos processos de um supply chain.

Isso pode incluir inúmeras — para não dizer infinitas — ações e planos ao longo da cadeia de suprimentos, desde a otimização do estoque até o monitoramento da entrega.

A gestão de riscos na logística basicamente busca identificar, mensurar, monitorar e agir para minimizar os potenciais riscos que uma operação pode envolver, seja por falhas ou gargalos da própria empresa, seja por ocorrências externas e fora do controle do gestor.

Quais os potenciais riscos de uma operação logística?

Como bem destacamos, não há uma gestão de riscos pronta e padronizada para todas as operações logísticas, seja no Brasil, seja em qualquer outro país.

No entanto, trazendo isso para o nosso cenário nacional, há infinitos fatores que precisam ser levados em consideração em um gerenciamento de riscos logísticos, desde questões climáticas (como controles de temperaturas exatas para o transporte) até a realidade atual de nossas estradas.

Sendo assim, preparamos uma breve lista com alguns pontos que devem ser incluídos no planejamento de uma gestão de riscos em logística no Brasil. Confira:

  • questões de segurança pública (riscos de roubos de cargas, sequestros, desvios);
  • qualidade das estradas (buracos, segurança, iluminação, ocorrências);
  • custos logísticos (valor das operações, armazenagem, pedágios, hospedagens, alimentação);
  • infraestrutura logística (custos com armazéns, transportadoras, operadores);
  • tributação (valor de impostos, taxas, multas etc.);
  • prazos de entregas (apreensão de mercadorias, gargalos burocráticos, demoras na liberação);
  • capacidade operacional.

Como realizar uma gestão de riscos eficiente na logística?

Com base nos fatores abordados acima — e também em outros comuns em suas operações —, é possível criar uma base mais sustentável para seus planejamentos operacionais, consequentemente, com foco na redução de riscos.

Ou seja, se suas entregas enfrentam demoras na liberação aduaneira, por exemplo, cabe ao gestor identificar o problema, monitorar e agir para mudar esse cenário. O mesmo vale para casos constantes de roubos de carga, gargalos operacionais, custos elevados etc.

Independentemente dos riscos identificados, o passo a passo para a implementação de uma boa gestão de riscos logísticos deve começar a partir de etapas básicas de planejamento, conforme destacaremos a seguir. Confira!

Planeje e mapeie todo os potenciais riscos

No tópico anterior, listamos uma série de possíveis riscos comuns e factíveis em qualquer operação logística no Brasil. No entanto, devido à complexidade e dimensão do país, evidentemente, há inúmeros outros potenciais fatores que precisarão ser levados em consideração em seu planejamento.

Logo, o mais importante é conseguir, em primeiro lugar, mapear detalhadamente esse cenário e mensurar todo e qualquer risco que venha a comprometer ou impactar suas operações.

Para isso, busque imaginar todas as etapas dessa operação, antes mesmo que ela ocorra, e veja quais processos apresentam potenciais riscos.

Colete informações

Coletar informações também pode contribuir para “desenhar” melhor suas operações. Em outras palavras, enumere dados e informações de suas entregas passadas e as liste em seu novo planejamento, a fim de evitar erros e falhas repetidas.

Confira também o cenário externo, como operações recentes de outras empresas na mesma rota, ações do governo, mudanças legais etc.

Mensure as consequências dos riscos

Erros e falhas logísticas muitas vezes podem comprometer o sucesso da operação e até mesmo causar prejuízos incalculáveis para o negócio. Por exemplo, uma negociação internacional sem o devido enquadramento legal pode acarretar sérias multas e até apreensões de sua carga.

Ainda que outros riscos tenham consequências menores, como atrasos, custos extras e devoluções de mercadorias, uma gestão de riscos logísticos visa exatamente minimizar ou eliminar qualquer possibilidade de impacto, sendo ele grave ou não.

Estude medidas de prevenção

Nessa etapa da gestão de riscos na logística, cabe ao gestor planejar e tomar decisões assertivas, após a identificação correta de determinado risco.

Isso pode ser feito por meio de KPIs ou monitoramentos específicos das ocorrências, implementação de sistemas de gestão, repaginação de processos, automação industrial, entre outros, visando principalmente reduzir os impactos ou eliminá-los de vez nas próximas operações.

Acompanhe as ações

Após a tomada de decisão do gestor, a empresa deve acompanhar os resultados de tais ações, justamente para mensurar os níveis de eficiência ou mesmo para saber se serão necessárias novas intervenções para a eliminação completa daquele risco.

Para isso, sistemas de gestão e parceiros estratégicos podem otimizar esse processo, agregando expertise e conhecimento técnico até a implementação de tecnologias propícias para um melhor gerenciamento.

Enfim, essas são algumas dicas essenciais de como trabalhar uma boa gestão de riscos na logística, visando principalmente reduzir potenciais impactos negativos em suas operações. Vale destacar que tal estratégia não visa unicamente otimizar os processos de suas entregas, mas também agregar valores e resultados fundamentais no setor, como redução de custos, aumento da produtividade, minimização de perdas e até mesmo uma melhor experiência ao consumidor final.

Gostou? Quer saber mais dicas sobre planejamento logístico e como otimizar os processos de sua empresa? Então, aproveite para ler também nosso próximo post e saiba como revisar sua gestão de fornecedores. Boa leitura!

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp

Deixe uma resposta